A Empresa Missão / Visão

MISSÃO
Assegurar a confiança do cliente entregando qualidade através de soluções sustentáveis em embalagens.

VISÃO
Consolidar a liderança na América Latina, expandindo nossa atuação em mercados selecionados e estabelecer uma posição relevante no mercado norte americano

10
verdades
que você
precisa
saber sobre
as sacolas
plásticas

Diante da polêmica sobre a campanha para suspender o uso de sacolas plásticas nos supermercados do Brasil, a Valbags reuniu dados e informações importantes para conscientizar fabricantes, lojistas e consumidores a respeito desse assunto e suas consequências socioambientais:

  • Em primeiro lugar, é essencial pontuar que os problemas da poluição e do impacto ambiental não são causados pelo produto em si, mas pelo desperdício e descarte incorreto, que são frutos da falta de uma política adequada de reciclagem de resíduos pós-consumo e de campanhas de incentivo e esclarecimento à população quanto à utilização responsável dessas embalagens.
  • As sacolas plásticas representam apenas 0,2% de todo lixo urbano do país e são 100% recicláveis
  • Pesquisa Datafolha mostra que 88% dos brasileiros reutilizam as sacolas plásticas para descartar resíduos domésticos. Nas cidades onde a distribuição gratuita do produto nos supermercados foi proibida, constatou-se um aumento significativo na venda de sacos de lixo.
  • Boa parte das sacolas plásticas é produzida a partir de aparas de outros produtos plásticos, geralmente comprados de cooperativas de catadores, do refugo de supermercados e de sobras do comércio e da indústria, impedindo que o material seja descartado em aterros sanitários ou locais impróprios.
  • Estudos da Agência de Meio Ambiente do Reino Unido realizados em março de 2011 apontam que as sacolas plásticas são menos nocivas ao meio ambiente do qualquer outro tipo de embalagem alternativo oferecido hoje, pois emitem menos CO² em seu processo produtivo e consomem menos matéria-prima.
  • Análises da empresa EcoSigma indicam que as sacolas plásticas são mais leves do que todas as outras alternativas de embalagem oferecidas pelo mercado atualmente, o que reduz os impactos ambientais referentes a transporte, estocagem e consumo de energia na produção.
  • A produção de sacolas plásticas emprega diretamente mais de 30.000 pessoas no Brasil, além de render aos municípios o valor arrecadado pelo ICMS.
  • As sacolas plásticas compostáveis (vendidas nos supermercados por cerca de R$0,20 a unidade) são fabricadas com amido e derivados de petróleo. Devido à sua composição, o material não pode ser reciclado junto a plásticos convencionais, sendo rejeitado por cooperativas de reciclagem. Não faz sentido, portanto, sua venda em locais onde não haja coleta específica e ambiente controlado de compostagem industrial.
  • O descarte de caixas de papelão pode chegar a ser 125% mais caro em relação ao descarte das sacolas plásticas devido ao maior peso, que acarreta em maior consumo de combustíveis e emissão de poluentes na atmosfera para o transporte do material aos aterros.
  • As sacolas plásticas são muito mais higiênicas do que as sacolas retornáveis e as caixas de papelão, que propiciam o acúmulo de fungos, bactérias e micro-organismos nocivos à saúde, oferecendo grande risco de contaminação dos alimentos ali transportados.